Esse ano não tem carnaval

Está suspenso esse tempo-espaço de ser e estar em outros, com outros. De andar em bloco, sem rumo, errando sem nenhum outro objetivo que não a própria perambulação.

Esse ano não tem

 

Dias de cambalear na rua vestindo absurdos, de corpo brilhante, pele exposta, carne com carne. 

Salvo-conduto para inconsequências. 

Parêntesis para os im/possíveis na vida real. 

 

Esse ano não

 

É só quarta-feira de cinzas.

Uma pausa na marcha, no canto torto. 

Um baque surdo e taciturno. 

 

Esse ano

 

Descolorido. Tons minguantes.  

 

Só de cinzas.

Fevereiro de 2021

Para as companheiras e companheiros do bloco

Ano Passado Eu Morri Mas Esse Ano Eu Não Morro.

Para o bloco Eu Acho é Pouco que em 2021 inventou o não carnaval.

Com saudades de todos os carnavais que passaram e desse que não foi.

Com saudades dos que virão de novo brilhantes.